sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

PATRUS ANANIAS DEVE ASSUMIR DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO

Prefeito de Carbonita é eleito presidente da Amaje

A nova diretoria será empossada em fevereiro de 2015

Foto: divulgaçãoPrefeito de Carbonita é eleito presidente da Amaje
Marcos Lemos (PT) ocupa, pela terceira vez, a Prefeitura de Carbonita.














  1. O atual prefeito de Carbonita, Marcos Lemos (PT), o Marquinhos, foi eleito na última sexta-feira, 12 de dezembro, presidente da Associação dos Municípios do Alto Jequitinhonha (Amaje). Ele será o sucessor do prefeito de Angelândia, Thiago Pimenta, em 2015, que é presidente reeleito, e não pode mais se candidatar.

  2.  A nova diretoria, que será empossada em fevereiro de 2015, é composta pelo prefeito de Presidente Kubitschek, Romulo Ronaldo dos Santos (PTC), como primeiro vice-presidente, e o prefeito de Itamarandiba, Erildo do Espirito Santo Gomes (PSDB), como segundo vice-presidente.
  3.  Marquinhos venceu a disputa contra a chapa do prefeito de Capelinha, José Antônio Alves de Souza (PMDB), por 11 votos a 8.
  4. Fonte: ASCOM/AMAJE

Virgem da Lapa e municípios do norte de Minas recebem máquinas para tratamento de água.

“Programa Água – Plantas Potabilizadoras” teve investimento de R$ 1,4 milhão da Coca-Cola, beneficiando os municípios de Virgem da Lapa, no Vale do Jequitinhonha, Varzelândia e Pedras de Maria da Cruz,no norte de Minas.

A Defesa Civil de Minas Gerais realizou, nesta quinta-feira (18/12), na Cidade Administrativa, evento para oficializar a entrega de três caminhões-pipa, 120 cisternas e três caixas d’água aos prefeitos das cidades de Pedras da Maria da Cruz, Virgem da Lapa e Varzelândia. 

A doação de equipamentos foi viabilizada por meio do investimento de R$ 1,4 milhão da Coca-Cola FEMSA Brasil na ampliação do “Programa Água – Plantas Potabilizadoras”. A iniciativa busca beneficiar a população sem acesso a água para o consumo humano com a disponibilização de água potável às comunidades atingidas por catástrofes ambientais e pelos períodos de seca.
Equipamentos foram entregues aos prefeitos das três cidades – Foto: Osvaldo Afonso/Agência Minas

O investimento da empresa incluiu, também, a doação de duas plantas potabilizadoras móveis e três plantas fixas que transformam água imprópria para consumo em potável, e, ainda, capacitações que foram concedidas à Defesa Civil e aos municípios contemplados pelo programa. 
A ação, que já atende cerca de 5 mil pessoas por dia, por meio das três máquinas potabilizadoras fixas instaladas, passará a atender cerca de 20 mil do Norte de Minas.
De acordo com o chefe do Gabinete Militar do Governador e Coordenador Estadual de Defesa, coronel Alex de Melo, esta iniciativa é uma forma de amenizar o sofrimento das famílias e oferecer o básico – água tratada. Muitas dessas famílias, lembrou o coronel, “em locais que são fruto da construção historicamente desordenada dos municípios, onde faltava o básico. Com esta maquina, a população, principalmente crianças e idosos, não deverão mais sofrer com problemas gastrointestinais. As crianças terão, inclusive, um desenvolvimento físico e neurológico melhor”, ressaltou.
O vice-presidente Jurídico e de Assuntos Corporativos da Coca-Cola FEMSA Brasil, Eduardo Lacerda, afirmou que “o programa já funciona como um grande auxílio para as comunidades que não têm acesso a esse recurso tão essencial para a vida humana. Agora, com a doação desses novos equipamentos, a água poderá chegar a um número maior de pessoas”.
Segundo informações de relatório realizado pela secretaria municipal de Saúde nas comunidades de Lagoinha I e II,  em Varzelândia, no norte de Minas, onde foi instalada uma das máquinas potabilizadoras fixas, houve redução de 83% dos casos de patologias causadas pelo consumo de água não-potável. 
“A iniciativa possibilita uma grande melhoria da qualidade de vida e saúde de pessoas que, por um longo período, foram obrigadas a consumir água imprópria”, declarou Lacerda.
Equipamentos foram entregues aos prefeitos das três cidades – Foto: Osvaldo Afonso/Agência Minas

Equipamentos foram entregues aos prefeitos das três cidades – Foto: Osvaldo Afonso/Agência Minas

Equipamentos foram entregues aos prefeitos das três cidades – Foto: Osvaldo Afonso/Agência Minas

Equipamentos foram entregues aos prefeitos das três cidades – Foto: Osvaldo Afonso/Agência Minas

Equipamentos foram entregues aos prefeitos das três cidades – Foto: Osvaldo Afonso/Agência Minas

Equipamentos foram entregues aos prefeitos das três cidades – Foto: Osvaldo Afonso/Agência Minas

Equipamentos foram entregues aos prefeitos das três cidades – Foto: Osvaldo Afonso/Agência Minas

Equipamentos foram entregues aos prefeitos das três cidades – Foto: Osvaldo Afonso/Agência Minas

Fonte: Agência Minas

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Fernando Pimentel divulga nomes para principais cargos do governo de Minas

Seis deputados ocupam Secretarias.


O Governador Fernando Pimentel (PT) confirmou os principais nomes para os cargos de primeiro escalão, a partir de 1º de janeiro de 2015.

Este Blog do Banu adiantou os nomes no dia 05.12.14. Pouco erramos. Confira aqui:

http://blogdobanu.blogspot.com.br/2014/12/principais-secretarios-de-pimentel-ja.html

Foram divulgados os nomes dos deputados estaduais reeleitos André Quintão (PT), na Secretariade Desenvolvimento Social; Paulo Guedes (PT), na Secretaria de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas; Tadeu Leite (PMDB), na Secretaria de Turismo e Esportes; e Sávio Souza Cruz (PMDB) no Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

 A participação de Paulo Guedes no primeiro escalão do governo põe fim à disputa com o deputado estadual Adalclever Lopes (PMDB) pela presidência da Assembleia Legislativa. Além disso, Guedes pretende ser candidato a prefeito de Montes Claros em 2016. 

As quatro futuras nomeações de deputados estaduais reeleitos abrirão vagas no Legislativo para os primeiros suplentes da coligação PT-PMDB-Pros-PRB: Geisa Teixeira (PT), mulher de Mauro Teixeira, ex-prefeito de Varginha morto em 2010; o atual deputado estadual Tony Carlos (PMDB); o advogado e novato João Alberto (PMDB); e Cristina Corrêa (PT), irmã do deputado federal Miguel Corrêa Júnior (PT). 

No núcleo político, estarão na Casa Civil o advogado Marco Antônio Rezende Teixeira, que foi procurador-geral de Belo Horizonte e coordenador da equipe de transição; na Fazenda o economista José Afonso Bicalho, secretário de Finanças de Belo Horizonte entre 2005 e 2012; no Planejamento Helvécio Magalhães, que foi secretário municipal da Saúde e secretário de Atenção Primária no Ministério da Saúde; além do engenheiro civil Murilo Valadares, que ocupou vários cargos entre 1995 e 2012 na Prefeitura de Belo Horizonte, entre eles ,o comando da Sudecap, e assumirá a pasta de Obras e Transporte Público. 


O deputado federal reeleito e presidente estadual do PT Odair Cunha vai para a Secretaria de Estado de Governo, o que abrirá, na primeira suplência da coligação PT, PMDB, PCdoB, Pros, PRB vaga para o aliado Ademir Camilo (Pros). 


No âmbito federal, a indicação do deputado federal eleito Patrus Ananias (PT) para o ministério do Desenvolvimento Agrário também levará o segundo suplente da coligação, Silas Brasileiro (PMDB), de volta à Câmara dos Deputados. 

Bernardo Santana (PR), cujo mandato termina em 31 de janeiro, não concorreu à reeleição, portanto, a sua indicação já anunciada por Pimentel para a Secretaria de Defesa Social não afetará a composição da bancada mineira. 

Ao contemplar André Quintão, muito ligado a Patrus Ananias, e o próprio indicado para a Esplanada dos Ministérios, Fernando Pimentel consegue pacificar com a composição de seu governo antigas disputas internas no PT. 


São também nomes já definidos: Macaé Evaristo para a Educação e o deputado federal Nilmário Miranda (PT), que está na quarta suplência da coligação para a Câmara dos Deputados, comandará a pasta de Direitos Humanos e Participação Popular. 

Já Ângelo Oswaldo (PMDB), ex-prefeito de Ouro Preto, vai para a Cultura, e Ronald de Freitas, para a Comunicação. O comandante-geral da Polícia Militar será o coronel Marco Bianchini. 

Para o comando da Cemig, uma das joias da coroa, está certo o nome de Mauro Borges, atualmente à frente do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Ele é doutor em economia e tem brilhante carreira acadêmica como professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Para a Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab), será nomeado Claudius Vinicius Leite Pereira, que comandou a Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte durante o governo municipal Fernando Pimentel. 


INDEFINIÇÕES 

A nova equipe, porém, não está toda fechada. Ainda há indefinições. Para a Copasa, está cotado o economista Paulo Moura, colaborador próximo de Fernando Pimentel e seu secretário municipal de governo. 
O empresário Marco Antônio Castelo Branco, ex-presidente da Usiminas, está sendo considerado para comandar tanto a Secretaria de Desenvolvimento Econômico como a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), órgão com maior capacidade financeira do estado. 

Está ainda em aberto a pasta da Saúde e a de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, que será entregue a um partido aliado. 

Caberá ao vice-governador Antônio Andrade (PMDB) a indicação para a Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ele estuda trazer um de seus colaboradores de Brasília, quando comandou o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 

O deputado federal Miguel Corrêa, que a princípio assumiria a secretaria de Desenvolvimento Regional, Política Urbana e Gestão Metropolitana, deve permanecer em Brasília, atendendo ao pedido da presidente Dilma Rousseff (PT) de manter parlamentares experientes no Congresso.
Fonte: jornal Estado de Minas.

Por que o Porto Mariel é “um golaço” na Cuba sem embargo comercial?

17 de dezembro de 2014 | 19:43 - Autor: Fernando Brito,no Tijolaço.

mariel

A jornalista Patrícia Campos Melo, especialista em assuntos internacionais, escreve na Folha um artigo sobre o “golaço” marcado pelo Brasil ao financiar a construção do Porto de Mariel em Cuba, sobretudo agora que os Estados Unidos reataram relações diplomáticas com a ilha e, ao que tudo indica, o embargo comercial de 52 anos está por cair.

Foi o que bastou para uma legião de comentaristas “coxinhas” começarem a xingar e ofender a colunista.

De fato, parecem ser tão pouco inteligentes que não conseguem enxergar o óbvio.
Então, com a paciência que devemos ter com este pessoal, vamos explicar.

A primeira vantagem – além de termos gerado encomendas ao Brasil maiores que o valor financiado –  é que, com o provável fim do embargo, fica mais sólida a estrutura de financiamento, organizada na base do “project finance”, onde a receita do empreendimento é que paga o dinheiro nele invertido. Isso dá mais liquidez aos recebimentos e torna, na prática, o financiador um “sócio” das receitas operacionais.

Mas este é o “de menos”.

Mariel é uma zona econômica especial em Cuba, onde se permite até 100% de capital estrangeiro nas empresas. Com a normalização das relações comerciais, será uma “plataforma de exportação” de manufaturados e de semi-manufaturados para os EUA.

Mariel fica a menos de 200 km da costa da Flórida.

É preciso falar das ventagens que terá sobre outras zonas de processamento de exportação hoje usadas pelos EUA, como a de Colón, no Panamá, que fica a 1.800 quilômetros de Miami? Outra plataforma logística, a Península de Yucatán, no México, fica a 900 quilômetros…E Barranquilla, zona especial da Colômbia, com as curvas necessárias para contornar a própria Cuba, a uns 2.500 km.
Dá para entender também que o Brasil tem seu porto mais próximo da costa oeste em Itaqui?  Bagatela de 5 mil quilômetros…

É possível entender que Mariel tem tudo para funcionar tanto  como umhub para conexões com portos do Golfo do México e da costa oeste americana, tanto para grãos e minérios quanto para peças e partes para montagem local?

Não é, claro, a vantagem de carregar/descarregar/carregar ou montar por lá. É reduzir custo e aumentar vendas, por ganhos de competitividade.

Será que agora eles vão entender que o diretor internacional da Fiesp, Thomaz Zanotto, no video que posto abaixo,  não defende o financiamento brasileiro ao porto por ser comunista ou “bolivariano”.
Mas talvez seja demais para os “lobetes”.

;

Polícia Federal apreende malotes de documentos da Prefeitura de Coronel Murta.

Agentes federais, acompanhados de técnicos da CGU, estiveram na Prefeitura, na manhã desta quinta, 18.12, 
e levam malotes de documentos para averiguação.
Foto de Dinda, da Rádio Líder, de Coronel Murta.

A população da pequena cidade de Coronel Murta, no Médio Jequitinhonha, nordeste de Minas,  passou a manhã, desta quinta-feira, 18.12.14, muito assustada e curiosa com a movimentação de agentes da  Polícia Federal e da CGU- Controladoria Geral da União. O prédio da Prefeitura Municipal foi ocupado no período de 8:30 às10:30 horas. Neste período, ninguém entrava ou saía.
A população de curiosos se aglomerou em frente ao prédio da Prefeitura, na Rua Mestra Lourdes, no Centro da cidade.
Foto de Dinda, da Rádio Líder, de Coronel Murta.

Embora não tenha sido divulgado pela Prefeitura ou pelos agentes federais, esta ação está vinculada à uma fiscalização realizada no período de 9 a 15 de março de 2014, por técnicos da CGU- Controladoria Geral da União na  Prefeitura Municipal de Coronel Murta. A equipe de fiscais elaborou um Relatório da CGU - Secretaria Federal de Controle Interno, nº 39.019, de 95 páginas (veja abaixo), que detectou diversas irregularidades na execução de programas federais.

Foto de Dinda, da Rádio Líder, de Coronel Murta.

As principais irregularidades detectadas foram:

1 – 24 famílias beneficiárias do Programa Bolsa-Família estão irregular, com renda per capita  superiores a meio salário mínimo. A recomendação é de corte dos beneficiados do Programa e devolução dos valores recebidos, pelos beneficiários;

2- O Fundo Municipal de Saúde recebeu de dezembro de 2011 a janeiro de 2012 o valor de R$ 29.060,97. Os recursos foram gastos pela administração anterior, pois no dia 31/11/2012,há um saldo de R$ 10,29, porém não foram encontrados os comprovantes de despesas.  A sugestão é de suspensão de repasses do PAB – Piso de Atenção Básica,  além de cobrar dos responsáveis a devolução dos valores aos cofres públicos.

3 – Durante o ano de 2013, os gastos de R$ 111.442,45 com manutenção e fornecimento de peças em dois ônibus escolares superam os seus valores de mercado em 64,72% e 72,97%.
O Relatório registra  que  foram gastos R$ 54.359,29 com o ônibus escolar placa KCB 9930, sendo o valor de mercado de aproximadamente R$ 33 mil. Diferença a mais de R$ 21.359,29. No ônibus escolar placa CBR 5864 gastou-se R$ 57.083,36, R$ 34.083.36 a mais que o valor de mercado.
Além disso, os fiscais perceberam que algumas peças dos veículos foram adquiridas por mais de uma vez, no ano de 2013.

4 – Os programas de manutenção de ensino apresentam irregularidades como dispensa de licitação na contratação de transporte escolar; ônibus irregulares; compra de gêneros alimentícios para a merenda escolar, sem contar dos cardápios; irregularidades nas compras de carne coxão mole.

5 - Em vários processos de licitação, os fiscais federais detectaram irregularidades diversas, desde a dispensa de licitação até acertos de orçamentos entre concorrentes, com claros indícios de processos montados no interior da Prefeitura para beneficiar um ou outro empresário.

Confira o Relatório da CGU, na íntegra, no link abaixo.


  



Municípios do Vale do Jequitinhonha lideram desmatamento da Mata Atlântica em Minas

No Vale do Jequitinhonha, os campeões de desmatamento são 
os municípios de Ponto dos Volantes e Jequitinhonha. Novo 
Cruzeiro, Curral de Dentro e Itinga também são citados. 
As áreas desmatadas serviram para o plantio de eucalipto.
Foto: arquivoCidades do Vale do Jequitinhonha lideram desmatamento da Mata Atlântica em MG
Em Jequitinhonha, foram desmatados 8.685 hectares de Mata Atlântica, segundo a Fundação SOS Mata Atlântica.

A Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) lançaram  nesta quarta-feira (17/12) os dados mais recentes sobre a situação dos 3.429 municípios da Mata Atlântica, com um ranking encabeçado por cidades do Piauí e Minas Gerais.
 Dois municípios do estado encabeçam a lista dos que mais destruíram a Mata Atlântica na última década, de acordo com os dados da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que pesquisaram os 3.429 municípios situados no bioma. 
O estudo apresenta dados consolidados dos últimos 13 anos.
Conforme a publicação, o município de de Jequitinhonha foi a campeã de desmatamento entre 2000 e 2013, com 8.685 hectares.
Em segundo lugar, está a cidade de Águas Vermelhas, no norte de Minas Gerais, que desmatou 6.231 hectares de Mata Atlântica.
A lista é composta por 10 municípios brasileiros e ainda conta com uma terceira cidade mineira: Ponto dos Volantes, no Vale do Jequitinhonha. Ela aparece em sexto lugar, com 5.398 hectares de vegetação destruídos nos últimos 13 anos. 
Além de Águas Vermelhas e Ponto dos Volantes, as cidades de Itinga, Curral de Dentro e Novo Cruzeiro, que ficam nas regiões dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas, aparecem no cálculo das perdas da Mata Atlântica entre 2012 e 2013.
  
Falsificação de dados
  
O ex-servidor do Instituto Estadual de Florestas (IEF) João Rossini Aguilar da Silva foi denunciado, em junho desse ano, pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) por falsificar pelo menos 23 laudos ambientais, o que causou o desmatamento de mais de 6.000 hectares da Mata Atlântica na região do Jequitinhonha.
  
A denúncia foi ajuizada por meio da Promotoria de Justiça de Jequitinhonha, e ele pode ter que pagar uma multa de R$ 25 milhões.
  
O ex-servidor do IEF elaborou laudos contendo informações inverídicas, afirmando que o local possuía áreas ocupadas, degradadas e vegetação com pouco relevo, mas na verdade a área estava em estágio médio e avançado de regeneração.

 Com a denúncia, as ações contra o ex-servidor do IEF pedem condenação criminal, suspensão dos direitos políticos, proibição de contratar ou receber benefícios do Estado e multa no valor igual a duas vezes o dano causado pelo desmatamento, o que ultrapassa R$ 25 milhões.
A assessoria do  Instituto Estadual de Florestas (IEF) se posicionou sobre o assunto e informou que João Rossini Aguilar da Silva foi exonerado dos quadros da Instituição no dia 28 de outubro de 2011.
 Este ano é a  quinta vez que Minas lidera o ranking de desmatamento da Mata Atlântica, registrando mais de 8 mil hectares de áreas destruídas.

 No Vale do Jequitinhonha, os campeões de desmatamento são os municípios de Ponto dos olantes e Jequitinhonha. As áreas desmatadas serviram para o plantio de eucalipto.
 De acordo com o levantamento, cinco dos 10 municípios que mais desmataram a Mata Atlântica no Brasil no período 2012-2013 ficam em Minas Gerais – Estado que liderou o ranking do desmatamento por 5 anos consecutivos, conforme divulgado em maio pela SOS Mata Atlântica e pelo INPE.
No Piauí, a cidade de Alvorada do Gurguéia desmatou 2.491 ha no mesmo período, o que a coloca em 2º lugar no ranking nacional.
O Estado, porém, também possui os dois municípios mais conservados do Brasil (Tamboril do Piauí e Guaribas), ambos com 96% de vegetação natural, que abrigam parte do Parque Nacional da Serra das Confusões, uma importante Unidade de Conservação da região.
Planos municipais da Mata Atlântica
  
Os municípios têm de fazer sua parte na proteção da floresta mais ameaçada do Brasil e uma das principais formas de contribuir é através da elaboração e implementação dos Planos Municipais da Mata Atlântica.
Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica, explica que o plano traz benefícios para a gestão ambiental e o planejamento do município. 
07/12/2014 -Fonte: SOS Mata Atlântica
More Sharing Services


17/12/2014 - 15:12 - Fonte: SOS Mata Atlântica