segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Pai é preso suspeito de engravidar a própria filha


A adolescente de 15 anos revelou o casa à mãe

Foto: ilustrativaPai é preso suspeito de engravidar a própria filha
A mãe da menina sabia do caso mas foi ameaçada pelo companheiro caso contasse algo à polícia
Um homem foi preso na tarde de sábado, 1º de agosto, suspeito de estuprar e engravidar a própria filha na zona rural de Medina, no Vale do Jequitinhonha.

O crime foi denunciado pelo enteado do autor, que compareceu ao quartel da Polícia Militar e relatou que o padrasto dele, um analfabeto de 37 anos e vaqueiro em uma fazenda do município, teria estuprado sua irmã.

Diante das informações, uma guarnição policial deslocou até a residência do vaqueiro, onde depararam com a mãe da adolescente, que estava indignada com o fato do  filho dela ter denunciado o padrasto.

 Ela relatou aos militares que teria notado um comportamento estranho em sua filha nos últimos dias e teria comprado um teste de gravidez, que deu positivo.

A menor disse à mãe que o pai da criança seria o  próprio pai. O crime teria acontecido no mês de maio, quando o homem aproveitou que sua companheira estava em Belo Horizonte e estuprou a própria filha.


A mãe da vítima também relatou aos militares que quando indagou o autor sobre o fato, este teria pegado uma faca e colocado no pescoço da filha,ameaçando ambas de morte, caso falassem algo para a Polícia.


O autor foi localizado pelos militares e negou os fatos. Ele foi preso e conduzido à Delegacia de Polícia Civil para demais providências.
 Fonte: Aconteceu no Vale

Jornalista é assassinado a pauladas em Araçuaí

André Sá tinha 39 anos, tendo atuado na TV Araçuaí. Atualmente, trabalhava na Prefeitura. 

A Perícia Técnica da Polícia Civil foi acionada e a motivação do crime será investigada. O corpo do jornalista foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) da região. Até o momento ninguém foi preso.
André Luiz de Sá era assessor da Prefeitura Municipal de Araçuaí há dois anos. O município decretou luto oficial de dois dias. Ainda segundo a PM, o jornalista não possuía passagens pela polícia.
De acordo com familiares, o jornalista formou no ano de 2000 e já atuou como repórter e editor na TV Araçuaí. Ainda segundo a família, ele não tinha inimizades.

Investigação

De acordo com o delegado Cristiano Castelucci, um inquérito policial foi instaurado e a Polícia Civil segue investigando o caso. Ainda segundo o delegado, duas testemunhas que estiveram com o jornalista no domingo (02.08) foram ouvidas na tarde desta segunda-feira.
“Já temos uma linha de investigação, mas não vamos divulgar para não atrapalhar o andamento dos trabalhos. O que podemos adiantar é que nada foi levado, nem mesmo o celular do jornalista.”, disse o delegado.
Segundo Castelucci, após o crime, o portão foi trancado pelo lado de fora e as chaves da casa foram jogadas por cima do muro. Além disso, as ligações efetuadas do celular no jornalista foram apagadas. A polícia acredita que não foi apenas uma pessoa que cometeu o crime.

Segundo caso em 2015

Este é o segundo caso de jornalista assassinado no Vale do Jequitinhonha neste ano. Em maio o repórter investigativo Evany José Metzker, de 67 anos, foi encontrado morto no município de Padre Paraíso, com o corpo decapitado, as mãos amarradas e sem calças. Ele vestia uma camiseta do blog de autoria dele, o “Coruja do Vale”, que fazia denúncias sobre política e crimes na região. O caso ainda permanece sem esclarecimentos, mas a Polícia Civil segue na investigação.
Movimentação em frente a casa onde o corpo foi encontrado – Foto: Enviada por Welton Franco
Fonte: Inter TV / Hoje em Dia

Juiz Moro quer acabar com o PT

A prisão de Dirceu é para aumentar o “coeficiente de PT” na Lava-Jato

3 de agosto de 2015 | 13:55 Autor: Fernando Brito, no Tijolaço
dirceupreso
Não é preciso ser um esquerdista para perceber obvio: a prisão do ex-ministro José Dirceu tem um objetivo essencialmente político.
Até mesmo a Folha o assume, sem muitos rebuços, ao afirmar que a “Prisão de José Dirceu recoloca PT na mira da Operação Lava Jato“.
Mesmo que se considere que Dirceu pudesse, depois de fora do Governo, influir em decisões administrativas, não faz o menor sentido a argumentação de Sérgio Moro, no ato que “fundamentou” afirmar que ele pudesse estar “vendendo prestígio” após sua condenação e prisão o caso do chamado Mensalão, há dois anos.
Dirceu só teria para “vender”  a “queimação” de ter sido tornado uma “figura maldita”.
Até mesmo que se dispôs a oferecer um modesto emprego de bibliotecário para que pudesse trabalhar no regime prisional semi-aberto tinha de enfrentar um impiedoso esquadrinhamento de sua vida pela mídia, para saber “quem é que está pagando para José Dirceu trabalhar.
Que tipo de vantagem José Dirceu poderia oferecer em troca de propinas, nos últimos dois anos, boa parte deles passados atrás das grades e o restante em reclusão doméstica, sem qualquer liberdade de locomoção, ao ponto de ter tido negada,na semana passada, autorização para ver a família no Dia dos Pais?
Os depoimentos acusatórios contra Dirceu, sejam verdadeiros ou falsos, trazem a marca de algo que foi dito com o objetivo de livrar ou reduzir a pena de gente que não tem, agora que são delatores, que se preocupar mais com o que vai dizer, pois está coberta pela garantia de que não lhes serão aplicadas penas graves.
E que tanto mais benefícios terão quanto mais contribuírem para o objetivo de condenar mais figuras públicas, não ao esclarecimento da verdade.
Há duas coisas, entretanto, que são irrespondíveis, embora Sérgio Moro gaste muita tinta para justificar.
A primeira é o fato de ele se atribuir jurisdição nacional (e até com foros internacionais) sobre tudo o que disser respeito a possíveis atos de corrupção de empreiteiras, desde que se tratem de obras ou empresas federais. Dinheiro da Odebrecht, da Andrade Gutierrez, da UTC e de outras dados a políticos “estaduais” ou “municipais” – com os quais elas fazem centenas de negócios, “não vêm ao caso”.
A segunda é que não se consegue apontar uma vantagem processual na iniciativa de “prender um preso”, pois é inverossímil que, a esta altura, Dirceu possa estar produzindo em agentes políticos ou empresariais qualquer coisa que não seja o medo-pânico em se aproximarem dele. Nem de longe, por interpostas pessoas, telefonemas ou e-mails, pois nem minha finada avó acreditaria que ele não é objeto de total vigilância.
Além do mais, se é para prevenir uma suposta reiteração criminosa, porque o esmero de não apenas pedir que o ex-ministro seja recolhido a uma cela, mas pretender que esta seja a de Curitiba, onde a “turma da lava-Jato” manda e desmanda e, sob a leniência do parvo Ministro da Justiça, sequer consegue explicar a existência de violações como a de instalar escutas clandestinas nas celas?
A razão, por isso, é evidente até para os olhos míopes da imprensa brasileira. O desenrolar da Lava Jato estava deixando claro que os esquemas de corrupção eram, essencialmente, ligados a políticos do PP e do PMDB. As pressões para obter delações de Renato Duque e João Vaccari, entre outros, ainda mantidos presos não resultou, até agora, em sucesso na obtenção de acordos onde estes acusem a quem interessa acusar.
Dirceu, já linchado em praça pública, oferece aos politizadíssimos investigadores e acusadores – a rigor, não é juiz neutro no processo –  a oportunidade de devolver ao escândalo um “alto coeficiente de PT” outra vez.
Nada mais que isso.

Juiz Moro prende José Dirceu. Anastasia será inocentado. Tucano, nunca!


 Saiu no Globo:

JOSÉ DIRCEU É PRESO EM NOVA FASE DA LAVA-JATO


SÃO PAULO. O ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, foi preso nesta segunda-feira em Brasília, na 17 ª fase da Operação Lava-Jato.

Cerca de 200 policiais cumprem 40 mandados judiciais em Rio, Brasília e São Paulo _ dos quais três são de prisão preventiva e cinco de prisão temporária.

Foram decretadas ainda medidas de sequestro de imóveis e bloqueio de ativos financeiros dos investigados.

A fase recebeu o nome de Pixuleco, termo utilizado para nominar a propina recebida em contratos.


Da Folha de S. Paulo:

PROCURADORIA PODERÁ ARQUIVAR INQUÉRITO SOBRE SENADOR TUCANO



À frente das investigações sobre políticos citados na Operação Lava Jato, a Procuradoria-Geral da República estuda pedir ao STF (Supremo Tribunal Federal) neste mês o arquivamento do inquérito que apura o suposto envolvimento do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG).

Navalha
Anastasia, como se sabe, era o bode expiatório.
Não foi o Aecím…

Em tempo: comentário do amigo navegante Paolo Dávalos:

O Juiz Moro é responsável pelo processo do Senador Cássio Cunha Lima e o mesmo está deixando prescrever. Novamente a justiça não está sendo feita.


Paulo Henrique Amorim, no www.conversaafiada.com.br

José Dirceu é preso na Lavajato sem nenhuma base legal.

A prisão do preso e os direitos de Dirceu

por Paulo Moreira Leite.


:
O fato de ser esperada e temida por seus amigos e familiares não torna a prisão de José Dirceu uma medida natural, nem correta nem justa.
Para Wadih Damous, deputado, advogado que foi presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, a prisão de Dirceu é incompreensível.
-- Por que prender quem já estava preso?, argumenta, lembrando uma realidade intransponível: Dirceu já estava em prisão domiciliar “e não ameaçava fugir.”
-- Ele estava cumprindo regularmente a pena.
Enumerando as três regras que poderiam justificar a prisão de José Dirceu, Wadih desmente uma a uma:
-- Não praticou qualquer ato que constituísse risco à ordem pública, à instrução criminal ou a futura aplicação da lei penal.
Eu acho que a prisão de Dirceu constituiu mais uma entre tantas barbaridades que tem sido cometidas no país depois que, como sublinha o ministro Marco Aurélio Mello, a Lava Jato instituiu a regra pela qual “manda-se prender para depois apurar.”
As pessoas estão se acostumando com a ideia que de que suspeitos devem ir para a cadeia.
Se você estiver pensando em perguntar: “Mas não há provas contra Dirceu?”. É bom reconhecer que este raciocínio já contaminado pelo ambiente, condicionado por uma lógica autoritária que hoje é assumida como expressão de normalidade.   
Num Estado Democrático de Direito, não basta haver prova – ou aquilo que o Ministério Público considera como prova, que o juiz classifica como tal – para uma pessoa ser presa. Se toda vez que a polícia encontrasse provas contra alguém, nem seria preciso fazer um julgamento, certo? 
Vivemos sob um sistema jurídico no qual as pessoas têm direito a serem julgadas e só então, depois de condenadas, podem ser presas, se assim estiver previsto na lei. Isso porque num julgamento o réu tem o direito ao contraditório, pode apresentar sua defesa e argumentar. Se for condenado, tem direito a recurso, ao chamado segundo grau de jurisdição, porque os juízes também erram.
Em nossa sociedade, a liberdade é um direito assegurado a todos, como estado natural de homens e mulheres. A prisão não pode ser imposta pelo Estado, desde que cumpra determinadas condições, entre elas demonstrar a culpa além de qualquer dúvida razoável. Sabe por que? Porque em nossas democracias, vigora o princípio que já escrevi outras vezes por aqui, mas que não custa repetir: “é melhor ter um culpado solto do que um inocente preso.”
Publicado pelo Brasil 247

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Governo de Minas fará patrocínio de 09 eventos no Vale do Jequitinhonha.

Divulgada a lista de projetos que serão patrocinados pelo Governo de Minas

Está disponível para consulta o resultado do primeiro Edital para Concessão de Patrocínios a Eventos do Governo do Estado de Minas Gerais (Edital 01/2015). Foram recebidas 1.130 propostas e, destas, 109 foram selecionadas, beneficiando 65 municípios mineiros.
A seleção dos projetos, feita pela Secretaria de Estado de Governo (Segov), em parceria com as empresas BDMG, Cemig, Copasa, Codemig e Gasmig, contempla requisitos tanto no âmbito da Administração Pública Direta quanto na Administração Pública Indireta. Serão investidos R$ 3,5 milhões.
30ª edição do Festur está entre os projetos selecionados – Foto: Reprodução
Todos os projetos foram analisados por uma comissão julgadora, de acordo com os seguintes critérios estabelecidos no edital: acessibilidade, viabilidade, abrangência, diversidade e diferencial. Cada quesito recebeu notas que variavam de 0 a 5, totalizando 25 pontos, no máximo.
Neste sentido, o Comitê de Patrocínio deliberou sobre os valores a serem concedidos para cada projeto, com o objetivo de atender o maior número possível de ideias.
Na próxima terça-feira, 4/8 será divulgado um cronograma de recebimento de documentos, bem como o órgão concedente do patrocínio. Caso os projetos classificados não apresentem a documentação conforme estabelecido no edital, serão convocados os projetos suplentes, obedecendo a ordem de pontuação. Foram selecionados 42 projetos suplentes.
Clique aqui para conferir a lista dos  projetos selecionados e os projetos suplentes.

Transparência

O Chamamento Público, iniciativa inédita do Governo de Minas Gerais, teve como objetivo trazer maior transparência para o processo de concessão de patrocínio no estado, permitindo que todos os interessados pudessem participar de forma igual e mais democrática.
O Edital foi aberto para pessoas físicas ou jurídicas, de acordo com os requisitos discriminados no documento, e para entes públicos, dentre eles os municípios, com exceção da administração estadual.
Foram recebidos projetos nas seguintes áreas: cultural, social, ambiental, educacional, assistencial, agricultura, pecuária, saúde, turismo, esporte, ciência, tecnologia, segurança pública, economia, trabalho e emprego. Na área cultural, não foram contemplados projetos abarcados por isenção fiscal.
Para outras informações ou dúvidas, entre em contato pelo telefone 3915-9214 ou pelo e-mail patrocinio@governo.mg.gov.br

PROJETO APROVADOS
VALE DO JEQUITINHONHA

- 30º FESTUR (Turmalina) - R$ 30.000
- XV COPA MUNICIPAL DE FUTEBOL DE COLUNA (Coluna) - R$ 25.000
- ENCONTRO DE COMUNIDADES AFRO DESCENDENTES (Diamantina) - R$ 50.000
- OFICINAS DE ARTES E OFICIOS NA CONFECÇÃO ARTESANAL DE INSTRUMENTOS MUSICAIS -- (Minas Novas) - R$ 15.000
- XIV FESTIVAL MUNDIAL DE CACHAÇA DE SALINAS (Salinas) - R$ 50.000
- FESTA DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA (Chapada do Norte) - R$ 30.000
- ENCONTRO DE CAVALHEIROS E AGRICULTORES (Carbonita) - R$ 5.000
- II SEMANA DA CULTURA DE ARAÇUAÍ (Araçuaí) - R$ 30.000
- 3ª FEIRA DE AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA POPULAR SOLIDARIA (Santo Antônio do Jacinto) - R# 25.000
VALE DO MUCURI
 19º FESTIVAL DA LINGUIÇA DE JAMPRUCA (Jampruca) - R$ 30.000
- 1º CAVALGADA DOS AMIGOS E PROVA TEAM PENNING DE NOVO ORIENTE (Novo Oriente de Minas) - R$ 30.000
- FESTIVAL DA CARNE DE SOL DE TEÓFILO OTONI (Teófilo Otoni) - R$ 20.000
NORTE DE MINAS
- FORMAÇÃO E MOBILIZAÇÃO DE PROFESSORES DO CAMPO: GESTÃO PARTICIPATIVA NAS ESCOLAS DE ASSENTAMENTO E ACAMPAMENTOS DE MINAS GERAIS (Montes Claros) - R$ 30.000
- ENCONTRO DE FILARMÔNICAS DO NORTE DE MINAS GERAIS (Manga) - R$ 25.000
-- SEMINÁRIO MINAS TEM NORTE (Matias Cardoso) - R$ 50.000
- S.O.S SÃO FRANCISCO (Manga) - R$ 30.000
- 24ª FESTA NACIONAL DO PEQUI (Montes Claros) - R$ 40.000

Fonte: Agência Minas
http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-divulga-resultado-de-edital-de-patrocinio/

Campus da UFVJM de Teófilo Otoni entra em greve

UFVJM suspende início das aulas no campus de Teófilo Otoni por causa da greve.

Campus de Diamantina, Janaúba e Unaí terão aulas a partir de 10 de agosto.

O início do segundo semestre letivo no campus Teófilo Otoni da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e do Mucuri (UFVJM), marcado para o dia 10 de agosto, foi suspenso por causa da greve dos professores e dos servidores técnico-administrativos.
Segundo a Pró-Reitoria de graduação da UFVJM, não há previsão para que as atividades sejam retomadas. O campus de Teófilo Otoni tem 123 professores e 75 servidores técnico-administrativos.
Os docentes aderiram à greve nacional em junho. Entre as reivindicações estão melhores condições de trabalho e estrutura das universidades; revisão da política salarial e reajuste salarial.
De acordo com a UFJVM, o calendário acadêmico dos campi de Diamantina, Unaí e Janaúba está mantido porque os professores destes locais não aderiram à paralisação. Já os servidores técnico-administrativos da universidade estão em greve.

Assembléia realiza Audiência Pública para debater asfalto da entre Virgem da Lapa-Lelivéldia-Ijicatu

Asfaltamento da estrada entre Ijicatu e Virgem da Lapa será tema de audiência na ALMG




Trecho da MG-677, entre Lelivéldia, no município de Berilo – Foto: Gazeta de Araçuaí
A tão sonhada obra de asfaltamento da MG-677, no trecho de 42 km que liga Ijicatu, distrito de José Gonçalves de Minas à Virgem da Lapa, no Vale do Jequitinhonha, será tema de audiência pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O encontro acontecerá no dia 25 de agosto, em Belo Horizonte.
A estrada é um importante acesso da população local à Diamantina e Belo Horizonte e para quem viaja em direção ao sul da Bahia. 
O trecho, passa pelos municípios de José Gonçalves de Minas, Berilo e Virgem da Lapa, no Médio Jequitinhonha, e há anos vem sendo usado como instrumento de campanha eleitoral, com promessa de asfaltamento. “Agora, só acreditamos quando o asfalto estiver pronto”, dizem os moradores de Lelivéldia, povoado de Berilo, cortado pela rodovia.
A elaboração do projeto de engenharia rodoviária estava paralisada, mas o atual Governo já autorizou a retomada dos estudos para viabilizar a obra. Segundo o Diretor Geral do DER, Célio Dantas, 
Fonte: ALMG

Almenara: Filha reencontra o pai no presídio de Almenara após 26 anos de separação


Recentemente, Lara recebeu um pedido de visita fora dos horários convencionais do estabelecimento prisional. Agentes penitenciários acionaram a assistente social depois de ouvirem a história comovente de uma moça de 26 anos, que estava à procura de Márcio na porta do presídio. Josimárcia Oliveira Silva tinha viajado mais de 700 km, de Contagem, onde mora, a Almenara, no Norte do Estado. Então, ela foi recebida por Lara para uma primeira conversa.
Desde bebê, de 10 meses de idade, a jovem estava separada do pai. Problemas de relacionamento decorrentes do alcoolismo do marido levaram a mãe de Josimárcia a se separar. Depois do divórcio, a mulher mudou-se para Belo Horizonte com as duas filhas, que cresceram sem contato com os parentes paternos.
Quando chegou à adolescência, Josimárcia recebeu a notícia de que o pai havia falecido. Mas ela não acreditou na informação e procurou a família de Márcio. Nessas tentativas, soube por um primo que Márcio estava preso em Sete Lagoas. Quando se preparava para tentar visitar o pai, Josimárcia perdeu o marido, baleado durante um assalto e faleceu. Grávida, com muitos problemas para resolver ela adiou a busca pelo pai. Somente anos depois pôde viajar a Almenara, para onde o pai havia sido transferido.
Presidiário reencontra filha depois de 26 anos – Foto: Divulgação / Seds

Emoção
Um abraço longo e apertado, lágrimas e risos marcaram o encontro. “Isto pra mim significa o recomeço. Não há mágoa por tudo o que aconteceu. Sempre sonhei em ver o meu pai. Não tinha foto, não tinha nada dele”, diz Josimárcia.
Márcio conta que nunca se esqueceu das filhas e que chegou a procurá-las, sem sucesso, em Belo Horizonte. No encontro com Josimárcia, descobriu que já tinha quatro netos, dois de cada filha. “Este foi o melhor presente da minha vida e justamente perto do Dia dos Pais.”
Na opinião de Lara, faz parte do trabalho dos assistentes sociais da Seds fortalecer os vínculos familiares dos presos. “É a família o cerne para que aconteçam as modificações sociais e são momentos assim que fazem valer a pena a atuação profissional”. Ela ressalta que o encontro entre Josimárcia e Márcio só foi possível, fora do horário normal de visitas, graças à sensibilidade dos agentes e da diretoria do Presídio de Almenara.
Fonte: Seds / por Flávia Lima, na Agência Minas.

Instituto Lula sofre ataque a bomba