quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Chapadado Norte: Jovem de 16 anos conquista medalha nacional de karatê

Três atletas do Vale do Jequitinhonha brilham no campeonato brasileiro de Karatê.
Jovens participam de projeto do esporte de Chapada do Norte e Jenipapo de Minas, apoiado por entidades ligadas ao Fundo Cristão.
Três estudantes do Vale do Jequitinhonha, se destacaram no Campeonato Nacional de Karatê realizado em Brasilia (DF) de 16 a 19 de outubro, no ginásio Nilson Nelson. O campeonato é realizado pela Confederação Brasileira de Karatê e contou com a participação de cerca de 1.600 atletas de todo o país, das classes mirim, júnior, máster, infantil, sub-21, sênior e veteranos.


Lucas, campeão na modalidade Júnior, Josilane e Josiel – Foto: Divulgação

O estudante Lucas Ferreira Macedo, de 16 anos, de Chapada do Norte, no Médio Jequitinhonha, conquistou a medalha de ouro e é o campeão brasileiro de Karatê na categoria Júnior.

Na categoria feminina, Josilane Martins, de 17 anos, da comunidade rural dos Martins, município de Jenipapo de Minas, conquistou a medalha de Bronze.

O estudante Josiel Antunes, de 18 anos, residente em Chapada do Norte, conquistou o 5º lugar do Campeonato, também na categoria Júnior.

Eles viajaram acompanhados do professor e treinador Marco Aurélio Pereira. Há 12 anos, Marco Aurélio participa do projeto Karatê apoiado pelas entidades AJENAI, ACHANTI, ARAI e AMAI, nos municípios de Jenipapo de Minas, Francisco Badaró, Berilo e Chapada do Norte.

As entidades, ligadas ao Fundo Cristão para Crianças, incentivam a modalidade esportiva entre jovens e crianças da zona rural e urbana daqueles municípios, da região do médio Vale do Jequitinhonha e atendem cerca de 550 alunos.

Para ele, as conquistas dos jovens são o resultado da rotina de treinamento feita com muita disciplina e comprometimento.

A viagem dos atletas para Brasília, contou com o apoio das prefeituras de Jenipapo de Minas, Chapada do Norte, Dr. Zelito, Márcio Lisboa e Núcleo Rotary Club.

Fonte: Gazeta de Araçuaí.

Araçuaí: Mulheres protestam contra a violência

Somente este ano, duas mulheres foram mortas pelos maridos em Araçuaí.

Um grupo de pelo menos 50 mulheres, a maioria pequenas agricultoras, saiu em passeata no final da tarde desta terça-feira (21.10) em Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, para protestar contra a violência doméstica de que são vítimas no dia a dia.

A manifestação, que teve apoio da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Minas Gerais, tinha como objetivo chamar a atenção para a impunidade ainda comum neste crime que somente nos últimos 10 meses, vitimou duas mulheres na região de Araçuaí.

Para as manifestantes, este tipo de iniciativas são “extremamente importantes, porque este é um crime público, o que faz com que a sociedade tenha aqui também um peso importante”, na medida em que não deveria ser “apenas a vítima a denunciar estas situações, mas a própria sociedade a envolver-se.

As mulheres percorreram ruas do centro da cidade até a praça do Fórum – Foto: Gazeta de Araçuaí

Apesar da pouca divulgação, as manifestantes acreditam que atos neste sentido devem se repetir. A passeata saiu da porta do Sindicato do Trabalhadores Rurais de Araçuaí, no Alto Santuário, percorreu as ruas da cidade e finalizou na praça do Fórum.

O último caso de violência contra a mulher, foi o assassinato da dona de casa Clarisse Neves Lima, de 47 anos, em Araçuaí. Ela foi morta dentro de casa, no último dia 21 de setembro, depois de ser agredida com uma paulada na cabeça, desferida pelo companheiro dela, o motorista José Fernando Almeida Silva, de 52 anos. A motivação foi uma crise de ciúmes do motorista. O casal estava em processo de separação.

Três dias após o crime, José Fernando, natural de Teófilo Otoni, se apresentou na delegacia de Polícia Civil de Araçuaí, prestou depoimento e foi liberado. Ele vai responder o processo em liberdade.

Meses antes de ser morta, Clarice teria procurado a polícia, reclamando dos ciúmes exagerados do marido. Contra José Fernando já havia uma medida protetiva determinando o afastamento dele da companheira que sofria violência doméstica. Clarice Lima foi morta na presença da filha de apenas 3 anos.

Outro crime que chocou a cidade, foi o do lavrador José Ferreira dos Santos, de 77 anos. Ele matou a facadas, a mulher dele, a também lavradora Lionara Gonçalves dos Santos, de 70 anos, de quem já estava separado. O crime ocorreu na região do Gravatá, zona rural de Araçuaí, no dia 28 de maio.

O lavrador foi preso no dia seguinte e condenado a 9 anos de prisão , após julgamento que aconteceu no Fórum de Araçuaí, no último dia 10 de outubro. O advogado de defesa do lavrador disse que vai recorrer da decisão.

Fonte: Gazeta de Araçuaí

Turmalina: Pacientes fazem protesto e pedem liberação de médico acusado de assédio sexual

Mulheres chegaram a realizar abaixo-assinado em apoio ao médico, que está preso desde sexta-feira (17.10) acusado de ter cometido “atos libidinosos” durante consultas.

Foi com surpresa que boa parte da população turmalinense recebeu a notícia da prisão, ocorrida na última sexta-feira, dia 17 outubro, de um médico ginecologista que atuava no Hospital São Vicente e em um Posto de Saúde da Família (PSF) da cidade. O profissional foi acusado por quatro pacientes de Turmalina e uma de Capelinha de praticar “atos libidinosos” durante o atendimento. Na contramão das denúncias, um grupo formado por dezenas de mulheres defende o médico, alegando que sua conduta nada tem a ver com o que foi relatado nas denúncias, e pede que ele pelo menos responda o processo em liberdade.

Na tarde desta terça-feira, 21, pelo menos 30 mulheres, com idades que variam entre 15 e 60 anos, dispuseram-se a relatar o convívio com o médico, que é apontado por elas como “um profissional dedicado e respeitoso”. Algumas aproximaram-se da reportagem chorando e, na maior parte das vezes, com bebês de colo nascidas sob a assistência do profissional.


Pacientes e ex-pacientes do ginecologista preso foram à porta do Fórum de Turmalina pedir a liberdade do médico – Foto: Jornal Acontece Regional/Portal da cidade de Capelinha

A dona de casa Maria José de Jesus, de 27 anos, fez pré-natal e o parto com o profissional. Ela contou que, ao descobrir que sua gravidez era de risco, sentiu receio quanto ao futuro da criança, mas foi tranquilizada ao saber que seria atendida pelo profissional, que tem boa fama na cidade tanto por sua atuação médica quanto pela convivência pacífica com os moradores. “Devo a ele a vida da minha filha Isabella, de sete meses. Assim que soube que a criança ia nascer, ele deixou o que estava fazendo e foi direto me atender. Inclusive meu marido gosta muito dele e confia plenamente em sua atuação”, salientou.

Já a doméstica Augusta Queiróz, de 55 anos, diz ter ficado “horrorizada” ao saber da prisão do médico. Ela e a filha, de 23 anos, são pacientes dele desde o primeiro semestre do ano passado, quando o profissional começou a atuar em Turmalina. “Ele é tão bom que, quando foi demitido do hospital da cidade, fizemos um abaixo-assinado, com mais de 3.000 assinaturas, pedindo sua recontratação. E também já estivemos no fórum solicitando que ele seja solto”, declarou.

As pacientes ouvidas pela reportagem alegam ainda que, nos últimos anos, aconteceram vários casos de médicos ginecologistas que encontraram dificuldades para atuar em Turmalina. “Acredito que isso seja uma perseguição, pois, depois que esse médico veio para nossa cidade, ele resolveu muitos casos, ajudou casais a engravidar, fez diversos partos de risco e ainda deixou de cobrar vários procedimentos da população mais carente. Estou indignada pelo que estão fazendo com ele. Tem algo esquisito nessa história”, comentou a dona de casa Lívia Oliveira, de 39 anos.

Com o filho no colo, ela contou que, antes de ser atendida pelo médico alvo das acusações, recebeu de outro profissional o diagnóstico de câncer no útero, situação que a impediria de ser mãe. “Foi ele que me tranquilizou. Constatou que não havia câncer, e fez um tratamento de fertilização comigo. Sou grata, pois eu era depressiva, tomava 18 remédios por dia, já fui até internada em um sanatório e tentei me suicidar. Depois que o conheci, não tomo mais remédios e até meu marido foi ao posto de saúde para agradecê-lo”, salientou Lílian.

A estudante Geane Cordeiro de Jesus, de 15 anos, fez o pré-natal com o ginecologista. Ela chegou à Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Pau D’Óleo, onde o médico atuava, carregando nos braços sua filha Iany, de cinco meses, nascida sob a assistência do médico. “Estou espantada. Ele é tão amigo da gente, tão atencioso, nunca faltou ao respeito. Até exagera nos cuidados para não nos deixar constrangidas”, comentou a estudante.

Relaxamento de prisão

A defesa do médico acusado de molestar pacientes em Turmalina e Capelinha impetrou na tarde desta terça-feira, 21, um pedido de revogação da prisão temporária do seu cliente. Um dos argumentos da defesa é que a prisão foi efetuada com o inquérito ainda em aberto, sem que o médico tenha sequer prestado depoimento.

Foi também entregue à Justiça um abaixo-assinado onde parte da população de Turmalina pede sua soltura. Em outra movimentação, dezenas de mulheres entregaram no fórum da cidade, ontem e hoje, declarações que atestam a boa conduta do médico. De acordo com advogados do acusado, a juíza que cuida do caso, Caroline Rodrigues, irá se pronunciar na tarde desta quarta-feira, dia 22.

O profissional completará, neste próximo sábado, 37 anos de idade. Ele é casado e pai de dois filhos. Segundo familiares, o médico formou-se em medicina no Estado do Rio de Janeiro e especializou-se em ginecologia e obstetrícia no Espírito Santo. Lá atuou por muitos anos, até decidir-se por mudar com sua família para Capelinha, buscando, segundo familiares, mais tranquilidade e qualidade de vida, pois estava assustado com a escalada de violência nas cidades grandes.

O médico trabalhou por um tempo em Capelinha e depois mudou-se para Turmalina, onde atuava no Hospital São Vicente e em um posto de saúde. Até sua prisão, o médico ocupava ainda o cargo de diretor clínico do Hospital São Vicente de Paulo. O provedor do hospital, Anderson Cordeiro, aguarda orientação do setor jurídico da entidade para comentar o assunto.

No grupo que pede a soltura do médico, algumas mulheres alegam que tiveram até insônia e perda de apetite por causa da notícia de sua prisão. Outras contestam a acusação de que o profissional proibia a entrada de acompanhantes e enfermeiras em seu consultório durante os exames ginecológicos, conforme relatou o delegado Felipe Pontual em relato distribuído à imprensa.

A técnica em saúde bucal Nilcilene Costa, de 34 anos, e a recepcionista Aline Rodrigues, 24, que trabalham na UBS do bairro Pau D’Óleo, afirmam ter estado presentes em muitas consultas ginecológicas, a pedido do médico. “Já acompanhei várias consultas dele. O doutor fazia questão da nossa presença e nunca negou nossa entrada na sala. Inclusive, sempre usou luvas para examinar as pacientes”, ressaltou Aline.

Acusadora diz que não quer mais falar do assunto

A reportagem conseguiu localizar e conversar com uma das quatro mulheres que acusam o médico de abuso durante as consultas ginecológicas. Ela, que pediu para ter o nome preservado, diz não querer mais falar sobre o assunto por que a população da cidade recebeu a denúncia com desconfiança. “Infelizmente esse caso não está sendo bem aceito aqui em Turmalina. Acho que as mulheres deveriam ser mais amigas. Já dei satisfações à minha família e amigos, e não tenho mais nada a declarar”, desconversou.

O médico foi preso na sexta-feira, 17, por determinação do delegado local, Felipe Pontual. O policial diz que baseou-se no depoimento de quatro supostas vítimas do médico, que teriam relatado “práticas libidinosas” por parte do profissional em seus atendimentos clínicos. O caso ganhou grande repercussão na tarde de segunda-feira, 20, quando caiu na rede de blogs e portais da região. Alguns desses serviços chegaram inclusive a publicar a fotografia do médico, ainda que descaracterizada, antes mesmo de ouvir o outro lado da história, ou seja, a defesa do profissional ou ainda a direção do hospital.

A divulgação da suspeita, por si só, gerou comentários de todos os tipos na rede social, principalmente no Facebook. Houve desde quem imediatamente execrasse o médico, pedindo “sua cabeça”, até um grupo grande formado principalmente por pacientes do profissional, que souberam do caso e manifestaram também pelas redes sociais certa indignação com o que consideraram “condenação e prisão sumária” do médico.

Fonte: Portal de Capelinha/Jornal Acontece Regional.

Dilma continua subindo: ela tem 47%. Aécio tem 43%.



Nova sondagem aponta praticamente para o mesmo cenário publicado na segunda-feira, de empate técnico, com vantagem numérica para a candidata do PT à reeleição: Dilma Rousseff aparece com 52% dos votos válidos, enquanto seu adversário Aécio Neves, presidenciável do PSDB, detém apoio de 48% do eleitorado.

No entanto, se considerados os votos totais, os números mudaram ligeiramente, com a presidente subindo para 47%, de 46%, e o tucano com 43% das intenções de voto.

Dilma cresceu entre mulheres e no Sudeste 

www.brasil247.com, em 22 DE OUTUBRO DE 2014 ÀS 05:38


SÃO PAULO - Divulgada há pouco, a nova pesquisa do Instituto Datafolha mostrou praticamente os mesmos números do levantamento anterior, publicado na segunda-feira. 

Na mais recente leitura, Dilma Rousseff, candidata à presidência aparece com 47% contra os mesmos 43% para Aécio, na pesquisa anterior, de segunda-feira. Isso corresponde a 52% dos votos válidos para Dilma, enquanto seu adversário, Aécio Neves, presidenciável do PSDB, detém apoio de 48% do eleitorado. Já os votos brancos e nulos oscilaram de 5% para 6%, enquanto os indecisos caíram de 6% para 4%.

Neste contexto, permanece o empate técnico entre os dois candidatos considerando o limite máximo da margem de erro, de 2 pontos porcentuais.

Entre os eleitores da petista, 82% acreditam que ela vencerá a disputa presidencial. O eleitorado do tucano é um pouco menos otimista, com 78% achando que ele será eleito nas urnas.

Dilma cresce entre mulheres e no Sudeste.

A intenção de voto da candidata à reeleição entre as mulheres aumentou para 47%, ante 42% apontado no levantamento realizado no dia 9 de outubro. No mesmo contexto, o índice da petista na região Sudeste subiu para 40%, de 34%. Entre os eleitores que recebem entre dois e cinco salários mínimos, o porcentual da candidata do PT avançou para 45%, de 39% apontado no dia 15 de outubro.

Contratada pelo jornal Folha de S. Paulo, a pesquisa Datafolha ouviu 4.355 eleitores nesta terça-feira, em 256 municípios de todo o país. O nível de confiança do levantamento é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01160/2014.

Apoiadores de Aécio divulgam dados falsos na internet.

Uma mensagem tem circulado na internet intitulada "Farsa da pesquisa Datafolha --divulguem". O texto usa dados incorretos para sustentar a tese de que Aécio Neves (PSDB) estaria à frente de Dilma Rousseff (PT) no segundo turno.

Ao citar as intenções de voto em Dilma e Aécio em cada região do país, a mensagem utiliza dados da pesquisa Datafolha anterior, realizada em 14 e 15 de outubro (em que Aécio tinha 51%, e Dilma, 49%), e não os desta segunda-feira – que aponta a presidente com 52% e o tucano com 48%.

Dilma abre 6 pontos no tracking do PT.
Terça, 21/10/2014 - 18:04
Luis Nassif

Acabou de fechar o tracking diário do PT. !Tracking é uma pesquisa diária feita por telefone).

Por ele, Dilma abriu 6 pontos sobre Aécio.

O resultado apurado é de 47 x 41 em favor de Dilma.

Esta diferença daria mais de 8 milhões devotos de frente para Dilma.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Militância reaparece e PT tenta levar Aécio para canto do ringue


ROLDÃO ARRUDA, 21 Outubro 2014 | 20:50

Ato de apoio a Dilma, no Tuca, em São Paulo, foi marcado sobretudo pela presença de jovens militantes. Lembrou velhos tempos do PT.

O fato mais notável do encontro entre a candidata Dilma Rousseff e representantes da área cultural, no Teatro da Universidade Católica de São Paulo (Tuca), na noite de segunda-feira, 20, foi a presença da militância petista. Fala-se aqui de militância espontânea. Daqueles jovens que pegam a bandeira vermelha da candidata, colam adesivos no peito e vão para a rua, sem ganhar um tostão para fazer isso.

Eram jovens estudantes em sua maioria, alguns acompanhados pelos pais. Começaram a chegar, agitar bandeiras e circular diante do Tuca e os seus arredores, no bairro de Perdizes, por volta das 17h30. Uma parte, após não conseguir entrar no teatro, por falta de lugares, foi embora. Mas a maioria ficou, mesmo debaixo de uma chuva fina que ia e vinha, até o final do evento, quando a candidata apareceu para saudá-los – do alto da sacada do teatro que abre para a Rua Monte Alegre.

Já passava das 23 horas e, segundo os organizadores, cerca de três mil pessoas permaneciam ali. O entusiasmado encontro, como se pode ver em vídeos e fotos que estão na internet, lembrou os velhos tempos do PT. Tempos em que, sem contar com grandes somas de dinheiro doadas por grandes empresas, o partido crescia empurrado sobretudo pela força da militância. Essa lembrança estava estampada no olhar de alguns velhos petistas que saíam do teatro e encontravam os jovens.
Após o término do encontro, grupos continuaram circulando pelo bairro com suas bandeiras. Por volta da meia noite, três moços e duas moças agitavam bandeiras para os carros que passavam pela esquina das ruas Monte Alegre e Vanderley. Quase no mesmo horário, outro grupo, bem maior, aguardava o ônibus num ponto da Rua Cardoso de Almeida entoando gritos de guerra da campanha petista.

Não se sabe ainda qual o efeito que essa reaparição da militância pode ter nos resultados da eleição. Segundo as pesquisas, os candidatos do PT e PSDB permanecem empatados nas preferências de voto, o que significa, rigorosamente, que qualquer um deles pode sair vitorioso no domingo.
21dilmatuca

O que se pretende registrar aqui é a presença de uma militância que parecia envergonhada – não se sabe se por efeito da campanha sistemática que os opositores do PT têm feito neste ano, com mais virulência do que nos anteriores, para desmoralizá-lo e tornar um ato quase vergonhoso a declaração de apoio à candidata petista; ou pelos erros e desacertos cometidos pela própria legenda, que, em mais de um momento no poder, renegou sua história e propostas partidárias.

Uma das explicações para o que se viu no Tuca seria o fato de a campanha eleitoral ter chegado àquele ponto nevrálgico de absoluta polarização, em que parecem se opor dois projetos políticos antagônicos. O ponto em que ninguém mais pode ficar indiferente.

O PT tende a assumir nesse momento, com mais clareza, o seu lado centro esquerda, agudizando a polarização. No Tuca, discurso após discurso, o que se ouviu foi a defesa do Estado laico, dos direitos dos homossexuais, do fim a qualquer tipo de discriminação contra os negros, do desenvolvimentismo, dos Brics, da soberania nacional e da maior presença do Estado na economia. Tudo isso combinado com o combate às desigualdades sociais e econômicas, ao neoliberalismo, aos fundamentalismos.
O que se verifica agora, como já ocorreu em outros momentos políticos da história recente, é o reagrupamento de forças em torno de alguns pontos comuns, como lembrou o ex-presidente Lula, ao dizer no Tuca que chega uma hora em que não é preciso estar cem por cento de acordo com Dilma ou o PT. O importante, disse ele, é distinguir entre os dois projetos “o que é melhor para o Brasil”.

APOIO DE MILITARES
Em alguns círculos tudo começa a funcionar agora de acordo com a engrenagem dessa polarização. Para entender melhor o significado disso, veja-se o caso do apoio dado à candidatura de Aécio Neves por velhos oficiais do Clube Militar. Por se tratar de um grupo que defende a ditadura militar, um dos períodos mais sombrios da história do País, no qual os direitos civis e políticos foram suspensos, os partidos extintos, a imprensa censurada e os opositores políticos torturados até a morte, esse tipo de apoio provoca uma reação imediata de outras forças políticas, que temem qualquer tipo de retrocesso democrático.

O PT valoriza e expõe esse tipo polarização – mais visível com Aécio do que seria com Marina Silva.
No palco do Tuca, o candidato derrotado ao governo de São Paulo pelo PSOL, Gilberto Maringoni, fez referência a essa conjuntura, a exemplo do que já fizeram seus colegas de partido Marcelo Freixo e Jean Wyllys, no Rio. ”Tenho críticas ao governo, mas vou deixar para depois”, disse Maringoni. “Agora vamos falar do que nos une, especialmente porque do lado de lá está Aécio Neves, o neoliberalismo heavy metal. É uma escolha entre a democracia e o abismo.”
É o momento, enfim, em que o PT procura levar Aécio para o lado esquerdo do ringue, onde, acredita, tem mais força nos punhos. Isso tem algum efeito sobre o conjunto do eleitorado, especialmente o que ainda se mantém indeciso? Não se sabe. Pelo que se viu dentro e fora do Tuca, porém, o efeito sobre os chamados setores progressistas, mesmo os que se mantinham mais arredios, é quase certo.

Quem desconstruiu implacavelmente Aécio foi o próprio Aécio

Postado em 21 out 2014
por : ,no Diário do Centro do Mundo.

Captura de Tela 2014-10-21 às 17.23.17
Ninguém a quem culpar senão ele próprio
Uma das palavras da moda nestas eleições é “descontrução”.
Ela tem sido usada pelos colunistas VPs, em tom de pretensa indignação, para definir o que o PT teria feito com Marina, no primeiro turno, e Aécio, no segundo.
Ah, sim: entenda, por VPs, as Vozes dos Patrões.
Marina é história. Tratemos da “desconstrução” de Aécio.
Desconstruir implica torcer fatos, manipular informações, inventar coisas que prejudiquem determinada pessoa.
Nada, absolutamente nada disso foi feito com Aécio.
Examinemos alguns dados da alegada “desconstrução”.
O aeroporto de Cláudio, por exemplo. Ele existe, ele custou cerca de 12 milhões, ele está situado num terreno que pertencia ao tio de Aécio e ele, embora pretensamente público, era usado privadamente por Aécio e uns poucos.
Desde que o caso apareceu, Aécio não conseguiu dar uma única explicação que fizesse sentido. Porque não há como defender o que é moralmente indefensável.
Construir o aeroporto de Cláudio acabou por desconstruir Aécio. Como quem construiu foi ele, podemos dizer que ele se desconstruiu.
A partir dali, falar em decência e em ética, pregar sobre o uso de dinheiro público, bradar contra a corrupção – tudo isso soou farisaico, cínico, mentiroso em Aécio.
Consideremos agora os familiares e agregados empregados por Aécio. Para quem fala compulsivamente em “meritocracia” e “aparelhamento”, praticar o nepotismo é particularmente acintoso.
A expressão maior do nepotismo de Aécio é sua irmã, Andrea Neves. Em seu governo em Minas, Andrea controlou as verbas de publicidade, uma atividade vital para o exercício de uma censura branca.
Você premia, com dinheiro, quem dá boas notícias sobre você. Pune, fechando as torneiras das verbas, quem faz jornalismo verdadeiro.
É uma situação que desconstrói quem quer que esteja no comando dela. Quem deu poderes a Andrea Neves? Foi Aécio. Não fui eu, não foi você, não foi o papa, não foi FHC.
Logo, também aqui, ele próprio se desconstruiu.
Não deve ser subestimado um fato, neste capítulo, que agrava as coisas. A família de Aécio tem pelo menos três rádios e um jornal em Minas, e para tudo isso foi destinado dinheiro público em forma de publicidade.
É, em si, uma indecência. Mas, para quem se apresente como guardião da moral, é pior ainda.
Ainda no capítulo do nepotismo, a trajetória de Aécio é o exato oposto da “meritocracia” de que ele fala abusivamente.
Aos 17 anos, o pai deputado federal lhe deu um emprego na Câmara, em Brasília. Só que, com esta idade, ele se mudara para o Rio para estudar.
Aos 25, um parente o nomeou diretor da Caixa Econômica Federal.
Isto não é desconstrução: é verdade. É biografia real. A verdade só descontrói quando o objeto dela fez coisas que merecem desconstrução.
Aécio era uma desconstrução à espera do momento em que luzes clareassem as sombras que sempre o acompanharam. Este momento veio quando ele se tornou candidato à presidência.
Não bastassem os fatos, em si, houve as atitudes nos debates. A grosseria primeiro com Luciana Genro e depois com Dilma, o riso cínico e debochado: assim se desconstruiu a imagem de “bom moço”.
Mas de novo: Aécio não tem ninguém a quem culpar, também aí, senão a si próprio.
Aécio, ao longo da campanha, promoveu uma minuciosa autodesconstrução.
Ganhou a sociedade. Quem votar nele sabe em quem está votando

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Dilma tem 52%;Aécio 48%, dizem Datafolha e Vox Populi.

Dilma abre 4% de frente ou 5 milhões de votos. 
Aécio tem mais rejeição do que Dilma: 
40% x 39%.
Cientista político aponta mulheres como efeito-mudança de preferência eleitoral.


Pesquisa do Instituto Vox Populi divulgada nesta segunda (20.10) indica que a presidente Dilma Rousseff (PT) permanece numericamente à frente do senador Aécio Neves (PSDB) na corrida à Presidência da República. Mas o cenário ainda é de empate técnico entre os candidatos; números são semelhantes aos que foram divulgados pelo Datafolha.
Dilma aparece com 46% das intenções de voto totais e Aécio registra 43% da preferência do eleitorado. Em relação à semana passada, os dois candidatos oscilaram dentro da margem de erro da pesquisa, de 2,2 pontos.
No último levantamento Vox Populi, Dilma registrou 45% e Aécio somou 44%

20 DE OUTUBRO DE 2014 ÀS 21:21, no www.brasil247.com


Brasil 247 - A pesquisa do Instituto Vox Populi, encomendada pela TV Record, Record News e R7, divulgada nesta segunda-feira (20) indica que a presidente Dilma Rousseff (PT) permanece numericamente à frente do senador Aécio Neves (PSDB) na corrida à Presidência da República, mas o cenário ainda é de empate técnico entre os candidatos. Os números são semelhantes aos que foram divulgados pelo Datafolha mais cedo (aqui). 

Dilma aparece com 46% das intenções de voto totais e Aécio registra 43% da preferência do eleitorado. Em relação à semana passada, os dois candidatos oscilaram dentro da margem de erro da pesquisa — de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

No último levantamento Vox Populi, Dilma registrou 45% e Aécio somou 44%. A pesquisa divulgada hoje aponta que brancos e nulos são 5%, e eleitores indecisos somam 5%.

Considerando apenas os votos válidos, ou seja, descontando-se brancos, nulos e eleitores indecisos, Dilma aparece com 52% enquanto o tucano soma 48%. É com esses números que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) chega ao vencedor da eleição. Também há empate técnico.

Por região

O Vox Populi fez a divisão das intenções de voto totais por região do País. Dilma vence no Norte, Centro-Oeste e Nordeste, enquanto Aécio tem melhor desempenho no Sul e no Sudeste.

No Centro-Oeste/Norte, Dilma tem 50% das intenções de voto contra 42% do tucano — brancos e nulos são 5% e indecisos, 3%. No Nordeste, Dilma também vai melhor: tem 66% das intenções de voto contra 26% do tucano — brancos e nulos são 3% e indecisos somam 4%.

No Sudeste, onde está o maior colégio eleitoral do País (São Paulo, com mais de 22% dos eleitores brasileiros), Aécio tem 50% das intenções de voto contra 34% da petista. Brancos e nulos são 8%, enquanto 1% não pretende votar e 5% não sabem ou não responderam.

No Sul, de novo, Aécio tem melhor desempenho. O tucano tem 56% da preferência do eleitorado, contra 34% da presidente. Brancos e nulos são 2%, e indecisos somam 8%.

Desempenho de Dilma

A pesquisa também quis saber dos eleitores as impressões sobre a presidente Dilma Rousseff. Para 43% dos entrevistados, a forma de governar de Dilma é “ótima” ou “boa”.

Outros 36% julgam “regular” o desempenho da presidente. Os eleitores que consideram a forma de administrar o País “ruim” ou “péssima” são 21%. Por fim, 1% não sabe ou não respondeu.

A pesquisa ouviu 2.000 eleitores entre o último sábado (18) e domingo (19) em 147 cidades do País. O levantamento, que tem nível de confiança de 95%, foi registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-01136/2014.

Datafolha VoxPopuli tiveram os mesmos resultados.

Foi divulgada, nesta segunda-feira, a nova pesquisa Datafolha sobre sucessão presidencial. Agora, a presidente Dilma Rousseff aparece numericamente à frente, com 46% das intenções de voto (subiu 3 pontos), contra 43% do tucano Aécio Neves (caiu 2 pontos). No levantamento anterior, Aécio tinha 45% das intenções de voto e Dilma aparecia com 43%.

Nos válidos, Dilma tem 52% contra 48% de Aécio. Na contagem de votos válidos na pesquisa anterior, o tucano tinha 51% contra 49% da petista.

A aprovação ao governo subiu para 42% (subida de 2 pontos). Os que consideram regular são 37% (variou 1 ponto para baixo). Os que desaprovam são 20% (reduziu 1 ponto).

O Datafolha também perguntou, entre os dois candidatos, em quem os eleitores votariam com certeza, em quem talvez votassem e em qual não votariam de jeito nenhum.

Rejeição a Aécio cresce, chegando a 40%.
39% não votam em Dilma de jeito nenhum.

Veja os números:

Dilma
45% - votariam com certeza
15% - talvez votassem
39% - não votariam de jeito nenhum - Rejeição
1% - não sabe

Aécio
41% - votariam com certeza
18% - talvez votassem
40% - não votariam de jeito nenhum- Rejeição
2% - não sabem

No primeiro turno, Dilma teve 41,59% dos votos válidos e Aécio, 33,55%

O Datafolha ouviu 4.389 eleitores no dias 20 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de dois pontos prevista. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01140/2014.

ANÁLISE DO CIENTISTA POLÍTICO RUDÁ RICCI.
A RESPOSTA SILENCIOSA DAS MULHERES
"Muitos me perguntam qual teria sido o principal fator de virada de Dilma. 
Alguns, perguntam se teria sido o debate de ontem. Acho muito difícil que seja o debate porque teria que ter se alastrado em poucas horas uma avaliação. Pensem que o debate terminou tarde e que a coleta de dados ocorreu durante o dia, não durante esta noite. Como um trabalhador teria chegado a definir seu voto a partir do debate? A mudança ocorreria, no meu entender, amanhã ou depois.
Arrisco um palpite: foi a informação (que Juca Kfouri atestou) que Aécio teria batido em mulher. A maioria dos indecisos é composta por mulheres com mais de 45 anos de idade. Quantas mulheres apanham de seus companheiros e maridos? Trata-se de uma revolta surda, de uma humilhação privada, íntima.
A campanha, neste final, trouxe à tona um drama pessoal. E vinculou ao voto. Acredito que tenha sido decisivo.

Carta aberta de Maria das Neves ao candidato Aécio Neves.

Maria das Neves: lugar de agressor é na cadeia e não na Presidência


No Viomundo:

MARIA DAS NEVES: LUGAR DE AGRESSOR DE MULHER É NA CADEIA E NÃO na PRESIDÊNCIA


Carta aberta de Maria das Neves ao candidato Aécio Neves; sugestão enviada por Luana Tolentino


Caro candidato, tamanha é minha indignação como jovem, mulher e feminista que não poderia deixar de escrever essas linhas.


Sua candidatura tem servido para estimular o ódio contra as mulheres e reforçar a cultura machista que tanto temos lutado para combater.


Muito tem me incomodado e a milhares de brasileiras a forma como você tem se referido as mulheres. Para você o Brasil ainda se divide entre “donas de casas” e “trabalhadores”. A velha divisão sexual do trabalho.  Parece que você não sabe, mas as donas de casa também são trabalhadoras. E, as mulheres tem ocupado entre tantas funções, aquelas que no passado eram apenas masculinas. Hoje, temos mais oportunidades, alto-estima e direitos conquistados. Somos o Brasil da seleção hexacampeã da Copa América de futebol feminino, golaço! As mulheres hoje são bandeirinhas, empresárias, engenheiras. Batem um bolão dentro e fora de campo. E, imagine só, chegamos até a Presidência da República.


Como se não bastasse o caso de agressão contra sua namorada, publicamente divulgado nas redes sociais e demais meios de comunicação, são frequentes os ataques de ódio e incitação à violência contra as mulheres através de seus correligionários e apoiadores. No último debate, seus assessores receberam a Presidenta da República aos gritos de: Vaca!  Enquanto isso o Pastor Malafaia, em seu twitter fazia piada com a violência doméstica e a Lei Maria da Penha, direito conquistado com muita luta pelas mulheres brasileiras.  Piadas sem graça, xingamentos machistas.  Ofendem não apenas a Presidenta Dilma. Mas, a todas as brasileiras que nos últimos anos escreveram uma nova página na história desse país. Quanto as propostas para as mulheres a resposta foi: nenhuma. Essa é a proposta de sua campanha para as mulheres? Mais violência, menos respeito?


Somos mais 52% da população e do eleitorado brasileiro, somos a maioria nas universidades, a maioria no PRONATEC. Somos as mais beneficiadas com o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida. Somos 67% da população economicamente ativa com carteira assinada. E, ao contrário do que o candidato disse no debate da Band não queremos um salário “mais próximo do que tem os homens”. Queremos um salário igual ao dos homens. Essa é uma luta histórica dos movimentos feministas e centrais sindicais: salário igual para trabalho igual!


É candidato, saiba que essa geração de mulheres, que nascem e crescem num país governado por mulher e as que lutaram para chegarmos até aqui, não toleram o “dedo em riste”, não são “levianas”, nem “mentirosas”, muito menos “ignorantes”! Enquanto você saía de Minas para passear. Dilma saiu de Minas Gerais perseguida por lutar por liberdade e democracia.


Dilma, representada todas nós, mulheres, jovens, idosas, brancas, negras, indígenas, quilombolas, ciganas, trabalhadoras do campo e da cidade, casadas, solteiras, héteros, lésbicas, bi e transexuais que lutam ainda hoje para nos libertar das correntes do patriarcado. Lutamos para ocupar mais espaços de poder e ajudar a decidir os rumos do país que ajudamos a construir. Por isso, lutamos por uma reforma política que aprofunde e consolide a democracia brasileira empoderando as mulheres.


Por muito tempo o machismo tentou nos calar e afastar da política. Dilma, representa a força e a voz das brasileiras que tem coração valente!  Há apenas 82 anos conquistamos o direito de votar e sermos votadas. Depois da conquista do voto feminismo a eleição de Dilma, é a principal conquista das mulheres brasileiras.


Lugar de mulher é na política, candidato. Não nascemos para ser apenas primeira- damas, mais para governar ao lado dos homens. Independente do peso, da cor da pele, do cabelo, do tamanho. Nossa beleza não tem padrão! E, não é critério para participação na política como afirmam as declarações machistas de seus apoiadores nas redes sociais que chegam à exaltá-lo como “herói” ao apresentar suas ex-namoradas como “troféu”.


Para você as mulheres ainda são “donas de casas”. No Brasil de Dilma as mulheres podem sonham em ser Presidentas da República. No Brasil que você defende violência contra a mulher é piada. No Brasil de Dilma, a violência doméstica é crime. O Governo da primeira mulher Presidenta da República fez pelas mulheres o que nenhum outro governo fez. Não vamos retroceder! Lugar de agressor de mulher é na cadeia, candidato. E não na Presidência da República!


No próximo dia 26 as mulheres votarão contra o desemprego, contra o neoliberalismo, contra o machismo, pelo fim da impunidade e da violência contra as mulheres.


Não voto em homem que bate em mulher!


* Maria das Neves, Diretora Nacional de Jovens Feministas da UJS

sábado, 18 de outubro de 2014

Documento revela que Aécio coordenaria financiamento ilegal do PDSB em 2012

Foi assim que Aécio levantou R$ 166 milhões para campanhas eleitorais de 2012 e 2014?
17 de outubro de 2014 | 20:53 Autor: Fernando Brito, no www.otijolaco.com.br

É estarrecedor o documento, reproduzido em reportagem de Allison Matos, no Conversa Afiada, de Paulo Henrique Amorim, onde são listadas doações irregulares –  caixa 2 – para a campanha de candidatos do PSDB e de seus aliados, em Minas e em outros estados, num esquema onde a coleta entre empresas e entidades e a destinação do dinheiro para as campanhas são reportadas diretamente a Aécio Neves.

São listas e listas, em papel timbrado do Governo Mineiro e com a assinatura do Secretário de Governo, Danilo de Castro, com firma reconhecida em cartório, onde se arrolam cerca de R$ 166 milhões em doações de empreiteiras, bancos, empresas estatais mineiras, fornecedores do Governo do Estado e entidades que dependem de seus repasses, como hospitais, além de sindicatos e até o Conselho Regional de Medicina de Minas.

Chequei algumas empresas – as públicas, sindicatos e associações, legalmente, não poderiam doar, claro – e elas não aparecem como doadoras nos registros do TSE.

Os que teriam recebido o dinheiro ilegal também são dezenas, a grande maioria tucanos, mas também o ex-governador Eduardo Campos, de Pernambuco e seu candidato Geraldo Júlio, que disputava contra o PT a eleição de Prefeito do Recife.

O documento foi recebido de fiscais mineiros pelo Procurador Federal Eleitoral de Minas Gerais, Eduardo Morato Fonseca, que o teria enviado às mãos do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, que – no mínimo por uma questão de equidade  com as denúncias sobre a Petrobras –  tem o dever moral de confirmar (ou não, obvio) a sua existência.

O documento é, verificada como parece estar sua autenticidade, a maior prova de caso de corrupção eleitoral já surgida na história brasileira, tanto pelo valor quanto pela extensão da rede de doadores e beneficiários de dinheiro ilegal.

Veja o post do Conversa Afiada e a reprodução dos documentos.

Aécio Neves e Eduardo Campos estariam unidos desde a eleição de 2012.

O Procurador Federal de Minas Gerais, Eduardo Morato Fonseca, recebeu do Sindicato dos Auditores Fiscais de Minas Gerais (SINDIFISCO-MG), um documento que mostra uma lista de políticos, partidos e empresas numa operação para, supostamente,  financiar as campanhas eleitorais de 2012 para prefeitos e vereadores.

O Conversa Afiada tem a informação de que o promotor Morato Fonseca encaminhou a documentação à Procuradoria Geral da República, já que entre os suspeitos estão políticos com direito a foro privilegiado.

No documento, onde se lê “consórcio” é possível entender que dele façam parte operações à margem da legislação eleitoral.

O arquivo teria sido enviado ao candidato a Presidente Aécio Neves (PSDB), em 4 de setembro de 2012, por Danilo de Castro, à época Secretário de Estado de Governo de Minas e possível operador do esquema. Nessas eleições, Castro coordenou a campanha de Pimenta da Veiga (PSDB) ao Governo de Minas.

A movimentação financeira teria beneficiado partidos e políticos – principalmente prefeitos e vereadores – nas eleições de 2012. Entre eles, o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que faleceu este ano em acidente de avião. Teriam sido destinados R$ 2 milhões e 500 mil a Campos, conforme teria determinado Aécio Neves, como mostra o documento, o que mostra uma suposta ligação entre ambos há, pelos menos, dois anos.

Ao todo, 19 siglas teriam o caixa abastecido com o esquema, como PSDB, PSB, DEM, PPS, PSD, PV, PP, PRB. Entre os políticos citados, estão José Serra (PSDB), então candidato a prefeito em São Paulo, que teria recebido R$ 3 milhões e 600 mil, o prefeito de Belo Horizonte (MG), Marcio Lacerda (PSB), R$ 7 milhões, Arthur Virgilio (PSDB), prefeito de Manaus (AM), R$ 600 mil, Geraldo Julio (PSB), prefeito de Recife (PE) R$ 550 mil e o senador José Agripino Maia (DEM), R$ 2 milhões e 300 mil “por intermédio” do deputado Gustavo Correia (DEM-MG), de acordo com o documento.

Os recursos podem ter saído de mais de 150 empresas dos mais diversos setores, como alimentação, construção civil, bancos, associações e sindicatos. Algumas foram citadas recentemente pelo ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, em seu depoimento à Justiça Federal: Andrade Gutierrez, OAS, Queiroz Galvão e Camargo Correa.

Chamam a atenção supostas doações de grupos como Conselho Federal de Medicina, que se envolveu na polêmica do programa Mais Médicos, que teria cedido R$ 40 mil, Federação Mineira dos Hospitais R$ 45 mil, Federação das Santas Casas de MG com R$ 100 mil, Associação Espírita o Consolador com R$ 160 mil, Associação dos cuidadores de idosos de MG, com R$ 200 mil, UGT (União Geral dos Trabalhadores) R$ 50 mil e Sindicato dos ferroviários R$ 55 mil. Além de bancos como o BMG, BGT Pactual, Santander, Itaú e Mercantil do Brasil.

Outras que aparecem são empresas ligadas a governos, como a CEMIG, companhia de energia de Minas, que teria doado R$ 6 milhões, a CODEMIG (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais) R$ 3 milhões e a Fundep (Fundação de desenvolvimento da Pesquisa) instituição que realiza a gestão de projetos de ensino, pesquisa e extensão da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Alguns dos doadores já são denunciados por participar de esquemas polêmicos. Um deles é o dono da Stillus Alimentação Ldta, Alvimar Perrela, ex-presidente do Cruzeiro e irmão do deputado Zezé Perrela. Segundo matéria de O Globo, “ele é acusado de liderar um esquema de fraudes que o fez vencedor em 32 licitações com o governo de Minas para o fornecimento de quentinhas para presídios do estado. No período de janeiro de 2009 a agosto de 2011, o grupo de empresas ligadas a Stillus Alimentação recebeu cerca R$ 80 milhões em contratos firmados com a Secretaria de Estado de Defesa Social de Minas”.

A Construtora Cowan, uma das responsáveis pela construção do viaduto que caiu em Belo Horizonte, de acordo com os documentos, teria cedido ao esquema R$ 650 mil.

Consta ainda a quantia de R$ 36 milhões e 800 mil que teria vindo de “outras fontes”, não esclarecidas.

O dinheiro arrecado teria irrigado, principalmente, as campanhas de PSDB, DEM e PSB.

Abaixo, o documento na íntegra:
Confira aqui:
www.conversaafiada.com.br/politica/2014/10/17/foi-assim-que-aecio-levantou-r-166-milhoes-para-2012-2014/

Em tempo: membros da oposição na Assembleia Legislativa de Minas chegaram a convocar uma coletiva para divulgar esse documento. Mas cancelaram, sobretudo, porque ele menciona  nomes que fazem parte de um grupo que pode vir a apoiar o Governo de Fernando Pimentel.

Em tempo 2: Na ilustração do alto, o amigo navegante pode observar que o documento com o timbre do 7o ofício de notas de Belo Horizonte, situado à Rua dos Goytacases, número 43, centro,  datado de 04/09/2012, teve a assinatura de Danilo de Castro reconhecida no dia 02/10/2012, pelo escrevente Gustavo Correia Eunapio Borges no 7o ofício de notas de Belo Horizonte.

Filiado ao PSDB-MG, foi Secretário de Estado do Governo de Minas Gerais e Deputado Federal, eleito por três vezes consecutivas.

Em tempo 3: O Conversa Afiada encaminhou este post ao Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Ministro Dias Toffoli, com a pergunta: se for verdade, que Democracia e que eleições são essas?

Em tempo 4: atento amigo navegante liga para observar que a cidade de Cláudio teriam sido destinados R$ 300 mil , possivelmente ao Titio, e, talvez, antes de ele manter a guarda da chave do aeroporto….

Paulo Henrique Amorim com Alisson Matos


Danilo de Castro, ex-Secretário de Governo de Minas, de 2003 a 2014.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Aricanduva: Victor e Léo e Leonardo anima a Festa do Peão de Boiadeiro


Pelo 14º ano consecutivo, evento se realiza no Parque de Exposições, neste final de semana.

A 14ª Festa do Peão de Boiadeiro, em Aricanduva, no Alto Jequitinhonha, nordeste de Minas, será realizada a partir de hoje, sexta-feira, 17.10, e se estenderá até domingo, 19.10, no Parque de Exposições José de Carvalho. 

A dupla sertaneja Victor & Léo e o cantor Leonardo são as atrações principais do evento e se apresentarão na sexta e no sábado, respectivamente.

A festa é uma realização da Prefeitura de Aricanduva por meio da Secretaria de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo e produção da empresa Minas Eventos. 

A abertura oficial será na sexta, a partir de 17h, com a presença de autoridades locais, show pirotécnico e a apresentação de Victor & Léo. 

No sábado, o cantor Leonardo e o DJ Skillo serão os responsáveis por agitar o evento. 

Já no domingo, a animação fica por conta de Flávio Brasil. 

No período da tarde haverá Motocross, a partir de 15h, e bingão, a partir de 17h. A renda será destinada para o Asilo São Vicente de Paula. 

Os ingressos estão sendo vendidos em Aricanduva, na Papelmix Papelaria e no Comercial Aricanduva, e em Capelinha, na Padaria Pão de Mel e loja Cellmax Tim, por R$55 o passaporte. 

Os ingressos também estão sendo comercializados de maneira individual, por R$30 (sexta-feira) e R$35 (sábado). Para adquirir meia-entrada, o estudante deverá apresentar declaração da escola ou carteirinha de estudante, juntamente com um documento oficial de identificação com foto na portaria da festa.

Fonte: ASCOM Prefeitura de Aricanduva.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Gestão tucana no governo de Minas deixou de investir 8,3 bilhões em educação e 7,7 bilhões em saúde.

Aécio e Anastasia não investiram 12% na saúde, nem 25% na educação, como manda a lei.

Site do TCE-MG saiu do ar quando, no debate, Dilma pediu aos telespectadores para conferirem. Manipulação ou congestionamento de acessos?
Fonte: www.mudamais.com

Quando os tucanos Aécio Neves e Antônio Anastasia governavam Minas Gerais, eles não investiam nem mesmo o mínimo obrigatório em saúde e educação, estabelecido pela Constituição Federal.
O Tribunal de Contas do Estado teve que fazer um Termo de Ajustamento de Gestão para obrigar o governo de Minas Gerais a  investir o mínimo constitucional em saúde (12% da arrecadação de impostos) e em educação (25% da arrecadação de impostos). 
Um levantamento detalhado mostra que os governos de Aécio Neves e Antônio Anastasia deixaram de aplicar 8,3 bilhões na educação e 7,7 bilhões na saúde. Os dois continuam negando este fato. 
Veja a tabela abaixo e confira o Termo de Ajustamento de Gestão do TCE Tribunal de Contas do Estado com o Governo de Minas. 

A prova de que o governo de Aécio negligenciou a saúde e a educação está aí embaixo. 
Aécio não fez o que diz!
Logo que foi denunciado no debate da TV Band, documentos sumiram do site do TCE-MG.
Com a pressão e denúncias de vários lugares, retornou.
Confira reportagem aqui:
jornalggn.com.br/noticia/tce-de-minas-gerais-retira-relatorio-sobre-saude-do-site-apos-ser-citado-em-debate

Aécio trabalhou para Câmara dos Deputados, durante 4 anos, enquanto morava no Rio.

Aécio teve mérito ao ser Secretário Parlamentar do seu pai deputado, 

aos 17 anos?

E, aos 25 anos, nomeado como diretor da Caixa Econômica federal?
Aécio com o avô Tancredo


O candidato tucano à Presidência, Aécio Neves, admitiu em nota que foi contratado para trabalhar na Câmara dos Deputados, que fica em Brasília, mesmo enquanto ainda morava no Rio de Janeiro, em 1980. Na época, tinha 19 anos.


De acordo com o texto, o tucano cuidava da agenda do deputado Aécio Ferreira da Cunha –trata-se do pai de Aécio Neves que exercia mandato pelo PDS (Partido Democrático Social). A sigla é sucessora da Arena, legenda criada pela ditadura militar.


(…)


A biografia de Aécio Neves, no site oficial do tucano, omite o período em que o presidenciável trabalhou remotamente para o gabinete do pai.



Em tempo: o Conversa Afiada reproduz artigo de Paulo Nogueira, extraído do Diário do Centro do Mundo:

MERITOCRACIA À AÉCIO


Meritocracia.


Uma das palavras mais pronunciadas por Aécio nesta campanha é esta, meritocracia.


Faz parte, se entendo, de um esforço de se colocar como um grande gerente. No jargão corporativo, meritocracia é uma palavra muito empregada, bem como outra do repertório de Aécio: previsibilidade.


Como todos sabemos, meritocracia é escolher alguém pelos seus méritos, e apenas por eles.


Num mundo menos imperfeito, a mídia teria tratado de verificar a trajetória de Aécio para ver como, no caso pessoal dele, se manifestou a meritocracia.


Convenhamos: ele é um forte candidato à presidência, e informações sobre sua carreira profissional têm, mais que nunca, um torrencial interesse público.


Mas este mundo é muito imperfeito – e a mídia mais ainda.


A inépcia — ou má fé — de jornais e revistas não impediu, no entanto, que viralizassem na internet documentos que mostram a rápida ascensão de Aécio.


Examinemos o papel da meritocracia em sua jornada, iniciada cedo. As informações estão no site da Câmara dos Deputados. Nenhum repórter teria que suar, portanto, para prestar um serviço relevante aos eleitores. (AQUI, O LINK)


Aos 17 anos, Aécio foi nomeado secretário de gabinete parlamentar na Câmara dos Deputados. Seu pai, Aécio Cunha, era deputado federal pela Arena.


Segundo o site da Câmara, Aécio permaneceu nesta posição até os 21 anos.


Há, aí, um fato intrigante: conforme perfil feito pela insuspeita revista Época, Aécio fazia faculdade no Rio no mesmo período em que era secretário de gabinete.


Algum jornalista se interessou em esclarecer essa suposta ubiquidade meritocrática?


Mundo imperfeito, mundo imperfeito.


Aos 23 anos, de volta a Minas depois da estada no Rio, foi nomeado assessor pelo avô, o governador Tancredo Neves. Como avós sempre encontram méritos nos netos, Aécio poderia hoje dizer que ganhou o cargo graças à meritocracia.


Tancredo morreria em 1985, pouco antes de tomar posse como primeiro presidente civil depois da ditadura militar. (Ele vencera, ao lado do vice Sarney, eleições indiretas.)


Com Sarney na presidência, Aécio deu um salto. Aos 25 anos, era diretor da Caixa Econômica Federal.


O que o candidato Aécio diria, hoje, de um neto de político indicado para uma diretoria da Caixa aos 25?


Aparelhamento?


Como os jornais, que jamais trataram disso, falariam do caso se fosse um neto de Lula?


No Brasil, aparelhamento é quando os adversários fazem nomeações.


Quando você mesmo faz, é meritocracia. FHC nomeou seu genro diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo, e o desnomeou depois do divórcio.


Serra deu emprego a Soninha e família na máquina estadual do PSDB.


Mas nada disso é aparelhamento.


A irmã de Aécio ocupa alto cargo público em Minas. O marido dela é peça-chave na campanha de Aécio. Um primo também. CHEQUE AQUI, se tiver dúvida.


Na gestão do presidente Itamar Franco, o pai de Aécio, Aécio Cunha, foi nomeado presidente do Conselho de Administração do BNDES.


Tudo é meritocracia, naturalmente.


Graças à meritocracia à Aécio, Minas sob seu governo ficou em 22.o lugar entre os 27 estados brasileiros em crescimento econômico entre 2002 e 2010, segundo o IBGE.


O silêncio da mídia permite bravatas meritocráticas a Aécio. E não só meritocráticas: ele se sente protegido o suficiente para falar em “decência” mesmo depois de construir, com dinheiro público, um aeroporto numa fazenda da família.


Este silêncio é obsequioso, mas não gratuito. Caso Aécio se eleja, as grandes empresas de mídia podem se preparar para as copiosas quantidades de dinheiro público que choverão nelas em anúncios governamentais.


E em resposta à chuva de publicidade, o Brasil subitamente melhorará nas análises de Jabor, Merval, Míriam Leitão. A corrupção desaparecerá dos telejornais, dos jornais, das revistas. Se nem a compra da reeleição de FHC foi notícia, o que haverá de ser?


Como disse um genial economista conservador, “não existe almoço grátis”.


Publicado no www.conversaafiada.com.br